quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

A questão do tempo

Hoje em dia ninguém tem mais tempo nem paciência para nada, e quem termina sofrendo com isso são nossos estômagos. Reconheço que trabalhar em casa me dá uma certa vantagem nesse quesito, e que cozinhar para mim é uma espécie de terapia pós-trabalho, mas não é a realidade de todo mundo. A maioria de nós nem quer saber de enfrentar um fogão após um dia de trabalho, ou acha que vai dar muito trabalho e, mais frequentemente do que se gostaria, termina apelando para congelados prontos ou delivery, o que não é muito saudável. Mas não precisa ser assim. Sinceramente, não levou nem trinta minutos (o tempo aproximado para uma pizza chegar em casa) para eu marinar e grelhar o salmão, cozinhar e temperar o orzo (que é mais rápido que arroz), cozinhar o brócolis no vapor e passá-lo na frigideira com alho tostado. Fazer comida boa e simples não dá trabalho e não leva necessariamente muito tempo. Basta ter um pouquinho de boa vontade e a cabeça aberta. É claro que depois tenho uma pilha de louça para lavar (sem máquina), mas considero isso um preço barato a ser pago pelo meu bem-estar.

3 comentários:

Raquel disse...

Oi Lud,
Mais uma vez me identico com você, através dos seus posts...estudo em tempo integral, ou seja, fico em casa o dita inteiro.
Não posso mais nem ver um congelado pronto e já enjoei das comidas da cidade (delivery ou não).
A cada dia que passa percebo as vantagens em cozinhar em casa, até porque, como vc disse: não necessariamente leva tanto tempo e trabalho assim.
Um abraço!

Anônimo disse...

HUUUMMM!!!

Ana Elisa disse...

Falou muito bem falado! O problema de quem QUER fazer comida em 15 minutos é que geralmente também não tem PRÁTICA; e o que demora 15 minutos para quem cozinha sempre, acaba levando 45 para quem não cozinha nunca. E fica essa impressão de que é tudo demorado e trabalhoso, quando na verdade não é. Tempo não é desculpa. O pessoal fez com comida o mesmo que faz com exercício: aaaah, mas dá tanto trabalho... eu não tenho tempo...
hehehe...
É meio irritante, não?

;)

Beijos!