terça-feira, 28 de agosto de 2007

Vida de foodie

A discussão filosófica sobre o que significa ser louco por comida é assunto recorrente em muitos dos blogs que freqüento. A Fer Guimarães Rosa se pergunta porque ela não cansa de falar de comida, e porque nem sempre sua obsessão é partilhada pelos interlocutores. Já o David Lebovitz tenta explicar a um amigo parisiense o significado do termo foodie, algo como "viciado em comida". O termo inglês me agrada bastante, embora não tenha conseguido encontrar um equivalente adequado para ele em português. É um sinônimo mais humilde e simpático dos “gourmet” e “gourmand” da vida, palavras francesas que, por isso mesmo, carregam um certo ar esnobe – eu, por exemplo, jamais me referiria a mim mesma como “gourmande”, mas até que gosto da idéia de ser “foodie”, mesmo sabendo que se trata basicamente da mesma coisa.

Mas o que vem a ser isso mesmo? Todo mundo gosta de comida boa, ou pelo menos todo mundo tem que comer, não é mesmo? Não é bem assim. Tem muita gente que come por obrigação, porque precisa mesmo, sem sequer prestar atenção na origem dos ingredientes. Tem gente que gosta de comer bem em ocasiões especiais, mas não liga muito para o dia-a-dia. Tem gente que vive em dietas super-restritas e só come as mesmas coisas sempre. E tem gente – a maioria, acredito – que até gosta de comer bem, mas não tem tempo, paciência ou interesse em saber mais sobre o assunto.

Já o foodie tem na comida um hobby, uma paixão, uma filosofia de vida (afinal, comida tem a ver com tudo nessa vida). É como colecionar selos, só que comestíveis. Para muita gente, ficar entusiasmado com uma visita à feira pode parecer pura maluquice. Assim como tirar fotos e descrever minuciosamente cada refeição para publicar num blog. Ou colecionar receitas, comprar acessórios de cozinha pela internet e esperar ansiosamente por meses até que eles cheguem. Ou atravessar cidades, países, continentes em busca de uma comida desejada. Mas o foodie vive para essas coisas e, acredite, há quem diga que eles são mais felizes.

O que tenho percebido de melhor neste vasto universo dos amantes de comida é que tem espaço para inúmeras vertentes de foodie, dos mais descompromissados aos mais hard-core. Na minha opinião, o foodie mediano é aquele que mostra um pouco de interesse por cada etapa do processo: da origem dos ingredientes até o preparo, passando por técnicas básicas de culinária, armazenamento e apresentação dos pratos. É claro que tem gente que leva uma coisa ou outra mais a sério, mas eu acredito em manter um certo equilíbrio saudável em tudo. Pelo menos eu tento.

Um comentário:

fezoca disse...

eu tenho dificuldade de usar esse termo "foodie". alias tenho dificuldade de usar qualquer termo. gourmet, jamais! mas poderia dizer que sou uma food freak, sei la! :-))

um beijo!