domingo, 1 de fevereiro de 2009

Au Pied de Cochon

Há quase um ano eu vinha tentando uma reserva no restaurante Au Pied de Cochon, um dos mais celebrados de Montréal, mas sempre alguma coisa dava errado na última hora. O que fazia a minha expectativa em relação ao local crescer no mesmo ritmo em que crescia a reputação do chef Martin Picard. Até que finalmente todas as estrelas se alinharam e conseguimos uma mesa para seis em janeiro, quando os três casais de amigos tinham algo para comemorar: o aniversário do Mohammed, marido da Fabrícia, aniversário da Nadja, esposa do Chris, e meu aniversário de casamento com o Luiz.

Então fomos, em pleno janeiro congelante, para o lugar mais caloroso do hemisfério norte - sim, porque o Au Pied de Cochon é um lugar onde as pessoas se divertem, falam alto, bebem e conversam despreocupadamente até altas horas. Nada de clima romântico ou mesas com toalhas de linho branco. Nada também mais condizente com a persona do chef Martin Picard, conhecido por suas loucuras experimentais na cozinha, por seu amor pelo foie gras e carnes de caça, e por não ligar a mínima para o que diz o manual de como chefs premiados devem se comportar (ele se recusa a usar o avental branco, por exemplo).



Para quem nunca ouviu falar, o Au Pied de Cochon (que em francês significa "no pé do porco") é conhecido por oferecer um vasto menu contendo foie gras - dizem até que o restaurante é o maior consumidor do produto no mundo, o que irrita muitos ambientalistas. Mas aqui o foie gras não é servido do jeito que você está acostumado a ver nos restaurantes franceses, e sim incorporado a pratos populares como cachorro-quente, hamburguer e até a poutine, que é o prato típico quebecois feito de batatas-fritas e queijo fresco cobertos com gravy.

A popular poutine, cuja combinação calórica promete aquecer do frio e curar qualquer ressaca, recebe uma dose generosa de foie gras. Essa mistura de requinte e ironia é a marca registrada do chef Martin Picard.

O menu é uma verdadeira celebração das carnes de caça típicas do Canadá, como pato, bisão, cervo e, claro, porco, todas as partes dele. O pé do porco que dá nome ao restaurante é servido recheado com foie gras. Os pratos são pesados, gordurosos e extravagantes, é verdade, mas o chef não pede desculpas nem faz concessões. Afinal, este não é um restaurante comum, mas sim um lugar onde se vai para, bem, chutar o pau da barraca. Mas isso não quer dizer que não haja requinte, por exemplo, na apresentação dos pratos ou na combinação inusitada de ingredientes.

A Fabrícia pediu um carpaccio de pato servido delicadamente num prato com azeite, cebolinhas e uma gema de ovo.

A costeleta de porco feliz (este é o nome do prato) vem com um molho de cebolas caramelizadas, bacon e outras delícias.

O Champvallon é uma caçarola de cervo, bisão e outras carnes cobertas com fatias finíssimas de batatas e servidas numa panela de barro.



Os churros e bolinhos de bachalhau (sobremesa e entrada, respectivamente) são servidos no melhor estilo botequim, em cones de papel com o logotipo do restaurante.

Um dos pratos mais divertidos é, sem dúvida, o canard em conserve, ou pato na lata. Meio peito de pato, 100g de foie gras, repolho e outros ingredientes são enlatados e cozidos na lata.

Vinte minutos depois o garçom vem com um prato contendo uma torrada e purê de nabo.


Ele então abre a lata na sua frente e...


Despeja o precioso conteúdo sobre o purê e a torrada.

Pato na lata! Uma interpretação deliciosa, audaciosa e criativa da "comida enlatada".

Mas o melhor da noite ainda estava por vir. Quando estávamos no meio do jantar Martin Picard em pessoa aparece no restaurante e começa a ir de mesa em mesa cumprimentando as pessoas. Eu não esperava vê-lo por lá, sabendo que ele é muito ocupado e viaja constantemente, mas a Fá teve um pressentimento e foi preparada, levando consigo uma garrafa da cachaça especialíssima feita artesanalmente por seu pai.


Que melhor jeito para atrair um chef conhecido por ser bon-vivant? Em pouco tempo Martin estava na nossa mesa tomando cachaça e conversando animadamente. Quando ele soube que estávamos comemorando tantas coisas, mandou vir doses de rum e vodka e bebeu conosco.


Se não fossem as calorias e carboidratos ingeridos durante o jantar, acho que não teríamos conseguido voltar para casa!!


Eu não sou uma carnívora aventureira como Martin (não sei se comeria o pé do porco ou um dos pratos com miúdos, por exemplo), nem me sinto confortável comendo foie gras com frequência, mas não há como não admirar a paixão e o envolvimento que existem em seu restaurante. Este é um chef que respeita os animais que serve (sua última "mania" é caçar pessoalmente ou pelo menos supervisionar o mais próximo possível as carnes servidas no restaurante), que não acredita em meio-termo quando se trata de qualidade e que, sobretudo, ama a vida, coisa que se torna palpável em seu restaurante.

Crédito das fotos: Fabrícia Rocha e Luiz Teles.

Mais sobre Martin Picard:
Site do Au Pied de Cochon
Receita da poutine com foie gras
Veja Anthony Bourdain no Au Pied de Cochon

5 comentários:

Camila Novais disse...

Oi, Lud,

Menina, eu sou uma quase vegetariana (o que seria isso?), mas como não sou chegada na militância, posso dizer que amei esse post, pela maneira como foi escrito, mas, sobretudo, pelo perfil do restaurante e do chef. Aliás, adorei a cara dele!

Que bom que vocês o encontraram e ainda tomaram uma bebidinha com ele. Sortudas!

Beijos!

PS: Ah! Parabéns por mais esse ano de casados. Você e Luiz combinam demais!!!

Fabrícia disse...

Lud este foi um dia memóravel ... posso dizer que a noite mais divertida que tive aqui em Montreal. Foi um sonho..... a companhia de vocês, o Martin, os drinks, as risadas, a comida ... tudo perfeito demais para ser verdade.... e foi bem verdade.... Adorei o post....vou colocar um link la no Sopa para chegar até aqui.
Bjs para vcs.

Joaninha Bacana disse...

Que noite maravilhosa!!! E, achei o máximo a sua amiga ir munida da garrafa da cachaça :o))) Poderosas!!! :oD
Bisous,
Angie
P.S. Namorido aaaaaama foie gras! Vou mostrar para ele o seu post, ele vai babar com a descricao dos pratos :o)))

baianices disse...

Lud, eu sou do time da Camila ai em cima. Mas eu iria, viu? Iria e comeria pouquissimo, provavelmente ficaria nas entradas e sobremesas.
Engracado e que vi essa semana o Anthony Bourdain no Ai Pied de Cochon e fiquei agoniada com tanta carne... o seu post esta muito mais atraente. Hehehe.

Anônimo disse...

FILHA......deve ter sido uma noite memoravel mesmo...e nada melhor p/ comemorar tantas datas importantes, principalmente o aniversario de casamneto de vcs. Que DEUS abençoe a união de vcs e que esta data seja comemorada sempre, para a felicidade de tds nós. BEIJOS E AMO VCS